Especialização Estética: Reparação efeitos da toxina botulínica

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

“Agradecemos a Deus e a nossa família. Pelo estímulo que nos impulsionou a buscar vida nova a cada dia. Por aceitarem privar-se de nossa companhia pelos estudos, concedendo a nós a oportunidade de realizar ainda mais esse nosso sonho. Nosso muito obrigada!”

Os agradecimentos das alunas egressas, Larissa Pucci Vieira (Biomedicina Estética), Letícia Silva Testa (Enfermagem Estética), Olga Cristina Bosco e Rafaela Natiéli de Lima (Farmácia Estética), dão início a apresentação do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) da pós-graduação em estética. 

O grupo multidisciplinar, apresentou a Comissão Examinadora do Nepuga/FAPUGA uma monografia sobre “Técnicas para reparação dos efeitos da toxina botulínica”. Concluindo a pós-graduação em 2019 na unidade de São Paulo-SP, as especialistas discorrem sobre a importância do tema.

“Entre os procedimentos mais procurados está a realização da infiltração de Toxina Botulínica (TB) a qual, no Brasil, ocupa 1º lugar no ranking dos procedimentos mais realizados segundo estudo internacional de performance de procedimentos cosméticos/estéticos em 2016 da ASAPS. Sendo assim, a correção de efeitos inestéticos provenientes da infiltração da TB, tornou-se uma real necessidade devido à alta demanda”.

Dra. Larissa Pucci – Biomedicina Estética

Reparação dos efeitos da toxina botulínica

O grupo ressalta que apesar do uso da toxina botulínica ser de baixo risco, existem riscos envolvidos nos procedimentos, “Contraindicações e complicações temporárias podem existir, como pequeno sangramento e edema no local da aplicação, perda de expressão, assimetria, ptose palpebral e cefaléia transitória”.

Além disso, complicações mais severas são citadas:

“Em geral, essas estão relacionadas à indicação incorreta do procedimento, orientações deficientes ou não obedecidas pelo doente e/ ou má técnica de aplicação, dentre estas podemos citar: carreamento do agente para áreas não tratadas com risco de cicatrizes, diluição do agente pela lágrima, conjuntivite e úlcera de córnea, escoriações levando a infecção e hiperpigmentação, erupção acneiforme, hipopigmentação, linhas de demarcação, dermatite de contato irritativa ou alérgica, eritema ou prurido persistente, cicatrizes atróficas ou hipertróficas e efeitos tóxicos”

Nesse cenário, o objetivo do trabalho foi estudar, por meio de revisão bibliográfica, a performance de algumas técnicas comumente usadas na estética para a reparação dos efeitos da Toxina Botulínica, a fim de reduzir o transtorno causado ao paciente. São elas:  Radiofrequência, Eletroestimulação e Infiltração de DMAE. 

“O presente estudo tem como justificativa, devido à alta demanda pela infiltração de Toxina Botulínica no Brasil, tornar necessários estudos que padronizem formas de reparação de seus efeitos. Apesar de ser um procedimento estético considerado seguro, são muitas as variáveis que podem levar a um resultado não satisfatório e até mesmo inestético”

Após discorrer sobre as possíveis complicações e as técnicas de reparação, as pós-graduandas da especialização estética alegam concluir que, apesar do material literário pouco disponível, sobre os procedimentos estéticos minimamente invasivos, a estética tem alcançado cada vez mais reconhecimento e espaço no mercado brasileiro. 

“Espera-se que o presente estudo sirva como piloto para futuros trabalhos de padronização das técnicas com a finalidade de reparação dos efeitos da toxina”. 

Confira o Trabalho de Conclusão na íntegra!

: Vieira, L. P; Testa, L. S; Leite, O. C. B. K; Lima, R. N. Técnicas para reparação dos efeitos da toxina botulínica. Nepuga/Fapuga. São Paulo – SP.

nepuga

Tenha acesso a todos os vídeos e conteúdos do nosso Curso Online

Matricule-se mais abaixo para continuar assistindo